quarta-feira, abril 19, 2017

A G O R A


é algo muito forte
vem de dentro
uma força animal
loba
uma víscera
que pinga seca
e derrama

o controle dói
quando se rompe
atravessa um corpo
até chegar no des
controle
e capturar essa força de volta
pra dentro do ventre
que é feminino e vermelho
é outra dor
recompor
me monto de novo
porque tem que ser
visto a armadura
dessa vida lá fora
aqui dentro outra composição
com cordões a menos, com cordões a mais
e chego nos 32 anos de respiração
é esse movimento de ir e voltar
como as linhas vermelhas
do meu corpo de mulher!

quinta-feira, março 30, 2017

N A T U R E Z A

Nave
transporte de pontas
fios tecidos
em morros graves
surdos
máquinas

Átomo
temporal
gotículas claras
de um verde liso
musgo
pedra sabão

Turvo
o movimento
de um tempo
que não entende
dos pedaços
de galhos

Único
pensamento
que não brinca
na branca
bruma
das bruxas

Roda
um barulho
que circula
por entre
ventres
cansados

Espio
com a palpebra
colada
no ouvido
oco
do muro caído

Zinco
derrete
tamanhos
funda esculturas
permeáveis
por dedos grafites

Água
pureza do céu
emerge no barro
que molda tudo
de um lado
sou o furo

quarta-feira, março 15, 2017

Método de contagem regressiva

matematicamente
logo,
conjunção conclusiva
de que mesmo sem pensar
existe

colisão
um pote de ciência
de doces em conserva
frutas ao lume
pra que não morram.

oposto
um diminui outro aumenta
o mesmo
sem um membro
uma dor a menos

flor de veludo da estrela do mar
o que sabes tu sobre ser?
ou sobre conservas?
tanta racionalidade
que dura seu próprio tempo

milésimo
podia até ser mais
sanfona
espaços de ar
que detém o gesto

outros
o que sabes dos outros?
observatório interpretativo de adivinhação
chutes nos astros
apanhar as estrelas e não saber o que fazer com elas


eis o método geométrico de contagem regressiva

terça-feira, fevereiro 07, 2017

Basta um beijo

Basta um beijo
pra que o corpo seja efeito
basta um efeito
pra que haja movimento
basta um movimento
pra que tudo pare

Tudo parado
lá fora
aqui, serpentes
eretas
vertebrais
dançantes

Presente
não é lembrança
é tempo
presença
não é estado
é

São
plural
porque são duas
duas mil vezes
que sinto
basta um beijo

quarta-feira, fevereiro 01, 2017

Encontro

Sem que eu visse,
numa curva
formou-se uma bolsa
de um sorriso liquido
representando a natureza, naturante

De espanto e espera
as mãos se fizeram prontas
potencia atravessada
ponteiro ereto
desenganadamente agora

o beijo
são palmas 
num veludo vivo e pulsante
que preenche os sulcos
das linhas da vida

corpo 
intercalado na nudez
numa viagem tão longa
de ida e volta
parece que não fui

No encontro 
seriam só corpos
sem se desvendar
qualquer segredo
seria explícito

os olhos tremem
antes e sempre, foi pelo couro
hoje e agora, retinas circulam
estou enxergando

e te vejo